SINDJUSTIÇA e a Prevcom-BrC esclarecem dúvidas dos servidores em palestra sobre Previdência Complementar

palestra prevcom

O SINDJUSTIÇA e a Fundação de Previdência Complementar do Brasil Central (Prevcom-BrC) promoveram nesta segunda, 25, palestra voltada aos servidores do Judiciário com o intuito de esclarecer dúvidas da categoria a respeito do Regime de Previdência Complementar e do Plano de Benefícios Previdenciários, Goiás Seguro, administrado pela Fundação.  O evento foi realizado no Auditório do Fórum Cível de Goiânia.

O Diretor Presidente Interino da Prevcom-BrC, Edson Ronaldo Nascimento explicou sobre a origem do plano e seu funcionamento. “Neste plano de previdência complementar o servidor que aderir realiza contribuições financeiras mensais durante determinado período. O montante será utilizado no futuro para o recebimento de valores mensais relativos à uma aposentadoria ou pensão adicional”, explicou. 

Ele acrescentou que, de certa forma, a previdência complementar é uma resposta ao que passou a ocorrer no País – “após sucessivas mudanças na Previdência, o servidor passou a ter, na aposentadoria, um ganho inferior ao que foi arrecadado durante o tempo de contribuição. Ao longo da carreira construiu-se uma expectativa de ganho que, devido a diversos fatores, acabou sendo frustrada”, comentou.

Destinado a todos os servidores efetivos do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, Tribunais de Contas do Estado e Municípios, Ministério Público e Defensoria Pública, o Plano Goiás Seguro tem como valor da contribuição básica alíquota que poderá variar entre 4,5% e 8,5% da parcela de sua remuneração que exceder o teto do Regime Geral, que hoje é R$ 5.839,45.

“Se o servidor desejar receber na aposentadoria além do teto do regime geral, a previdência complementar é uma excelente opção”, frisou o diretor, lembrando que é possível fazer simulações no próprio site da instituição (http://www.prevcom-brc.com.br/simulador).

Embora a adesão ao plano de todos os servidores que ingressaram a partir de 07/07/17 seja automática, a permanência é facultativa. Caso opte em não permanecer no plano, o servidor poderá requisitar o cancelamento com direito ao ressarcimento em até 90 dias.

Os servidores que ingressaram antes desta data também poderão aderir ao plano de previdência complementar. Uma das opções é como Participante Individual, sem direito ao patrocínio, independentemente do valor de sua remuneração. Outra possibilidade de adesão é através da migração de regime, desta forma, o servidor terá direito ao patrocínio (Participante Patrocinado).

“As vantagens são muitas, mas a principal, eu diria, é o fato de que, ao ter o Estado como patrocinador, o servidor tem ganhos reais: se ele contribui com cinco, o governo contribui com 5 e o resultado no saldo é 10. Oferecemos uma rentabilidade maior do que a poupança, entre outras aplicações”, frisou o gestor da fundação, lembrando que as contribuições podem ser deduzidas do Imposto de Renda.

Ressaltou, ainda, que os participantes poderão contratar as Coberturas Adicionais de Risco, para lidar com eventualidades, como invalidez e morte. E no caso de falecimento, a pensão será concedida aos beneficiários desde que tenha sido concedido o benefício de pensão por morte pelo RPPS (ver Regulamento do Plano). 

Edson frisou que a gestão dos recursos é feita pela Diretoria Executiva, com inteira supervisão dos Conselhos Deliberativo e Fiscal da Entidade, ou seja, todas as decisões são tomadas de forma coletiva, obedecendo os princípios legais. Não podendo, em hipótese alguma, o Estado ou outro Poder utilizar estes recursos para fins próprios. Além dos colegiados, a Entidade é fiscalizada pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar – Previc, órgão federal regulador e fiscalizador das entidades de previdência complementar.

Disse que existe um controle social das operações efetuadas pela Fundação, pois os Participantes podem acompanhar suas contribuições e as contrapartidas do seu patrocinador por meio de extrato disponível no site e no aplicativo da Entidade. E por fim, falou que os servidores participam da gestão da Fundação como integrantes dos conselhos, na qualidade de representantes dos Participantes e Assistidos.   

Dúvidas

Após a explanação do diretor Edson Ronaldo Nascimento, a mesa foi aberta a perguntas. O gestor ressaltou que qualquer dúvida do servidor poderá ser sanada pelos consultores da Prevcom-BrC pelo telefone (62) 3231-3301, pelo e-mail institucional@prevcom-brc.com.br ou na sede da fundação, localizada no Edifício Eldorado Business Tower, na Avenida C-255, sala 1201, Setor Nova Suíça.

Os servidores também podem encaminhar dúvidas para o e-mail institucional do sindicato (sindjustica@sindjustica.com), que todas elas serão encaminhadas à Prevcom para o devido retorno.

Fonte: Assessoria de Comunicação do SINDJUSTIÇA | Ampli Comunicação

Vire seu tablet para a

posição horizontal