Tem início nesta quarta-feira paralisações por 24 horas dos servidores do Judiciário

assembleia

O SINDJUSTIÇA informa que tem início nesta quarta-feira, 25, em todas as comarcas do Estado, a nova etapa do plano de ação em defesa da derrubada do veto à data-base, aprovado em Assembleia Geral Extraordinária dos servidores do Judiciário estadual na semana passada. Haverá paralisações durante 24 horas, período em que apenas os serviços considerados essenciais serão assistidos pelos trabalhadores.

Desde o início da semana, o plano de ação está em execução, quando foi deflagrada, também, a operação lentidão na prestação jurisdicional. A medida é permanente, diária e se manterá até a derrubada do veto e o pagamento efetivo dessa reposição inflacionária. A ação prevê nova paralisação de 24 horas na terça-feira da próxima semana, dia 31.

Nós, servidores, estamos há 13 anos sem aumento efetivo nos salários. Ficamos de plantão até nas madrugadas, correndo risco de morte e sem receber nada. Onde está a dignidade desse país? Onde está a dignidade da Justiça? Fábio Queiroz, presidente do SINDJUSTIÇA.

Objetivos do plano de ação

O plano de ação busca a abertura de negociações, inclusive com a próxima gestão do TJGO, que toma posse no dia 1º de fevereiro, visando a garantir o pagamento da data-base. Em ato desafiador à autonomia financeira do Poder Judiciário, segundo o presidente Fábio, a data-base já de 2015 sofreu corte expressivo no índice ideal calculado pela Segplan-GO.

Precisamos amadurecer esse movimento para torná-lo forte. No momento certo, as ferramentas serão utilizadas. Para isso acontecer, nós temos que somar forças. Juntos, somos mais fortes. Rosângela Ramos de Alencar, vice-presidente para Assuntos Administrativos e presidente eleita do SINDJUSTIÇA.

A diretoria do SINDJUSTIÇA já abriu as interlocuções com o presidente eleito do TJGO para o biênio 2017-2019, desembargador Gilberto Marques Filho. Em reunião efetuada nesta semana, o próximo chefe do Judiciário goiano acenou positivamente no sentido de tentar viabilizar a data-base aos servidores, com o SINDJUSTIÇA. Relembre.

Na operação lentidão, os servidores comparecerão às suas unidades no horário normal de trabalho, baterão ponto e lá permenecerão até o fim do expediente. As atividades nas comarcas continuam, mas com ritmo desacelerado, imprimido pelos trabalhadores. O objetivo é de propiciar a queda na produtividade e assim chamar a atenção da gestão do TJ.

Durante as paralisações, os servidores baterão o ponto de entrada e saída no horário regular, mas permanecerão nas portas dos fóruns ao longo do expediente, esclarecendo a população as razões do manifesto. O SINDJUSTIÇA orienta os profissionais a vestirem roupas na cor preta, como sinal de insatisfação e disporá de toda a infraestrutura necessária à realização do ato, como a alocação de carro de som e afixação de faixas para esclarecimento da sociedade sobre o protesto.

Em atendimento à legislação, o sindicato esclarece que nas paralisações os servidores devem se revezar para garantir o porcentual mínimo de 30% de trabalhadores nas escrivanias, garantindo a realização dos serviços considerados essenciais. Neles se enquadram os procedimentos em torno dos habeas corpus, alvarás de soltura, audiências de custódia e pensão alimentícia, bem como os relacionados a medidas protetivas, por exemplo.

Dúvidas podem ser dirimidas com o departamento Jurídico do SINDJUSTIÇA, pelo telefone (62) 3224-4458.

Vire seu tablet para a

posição horizontal